Páginas

domingo, 10 de abril de 2016

A Felicidade É Um Chá Contigo, de Mamen Sanchez


A Felicidade É Um Chá Contigo, de Mamen Sanchez, é um policial que não é bem um policial, um romance que só é romântico quando deve, uma espécia de comédia de costumes que brinca, divertindo quem lê, com a ideia de uma Espanha pícara, crua, ruidosa, quente, sensual, com mais coração que cabeça, mais vontade que eficácia.  Se há um caso em que o aproveitamento dos clichés associados a um país (ou dois) resultam num produto interessante, é este. Nas suas divertidas páginas, chocam a fleuma inglesa, com os seus chavões, o chá, a rigidez, a dificuldade de adaptação a outros climas e costumes, e os clichés sobre Espanha, de que são exemplos a espanhola fogosa com sangue cigano e a respectiva família numerosa e ruidosa.

Uma nota muito positiva para as referências literárias, porque este é um livro que, de forma descomprometida, se compromete com os autores que refere e que refletem as duas visões que obtemos da cultura espanhola – a do nativo, próximo dos ciganos, e a do estrangeiro que se rende ao sol e ao sangue espanhol.

Esta leitura foi uma surpresa divertida, um livro despretencioso e fresco – apesar do calor espanhol! – que se lê de uma assentada. Em certos momentos, os capítulos curtíssimos,  parecem levar-nos para mais longe da intriga, por se centrarem em diferentes personagens, mas na verdade nada surge ao acaso. No fim, a qual chegamos num instante, porque a história voa debaixo dos nossos olhos e nas pontas dos nossos dedos, temos, quase sem darmos por isso, a solução de um mistério que não o é exactamente… mas é afinal outro!  


Muito giro para quem procure acima de tudo uma leitura leve e divertida, com um pouco de salero.

1 comentário:

Isaura Pereira disse...

Olá Carla,
Adorei a sua opinião.
Adoro o título do livro! Parece-me muito interessante.
Beijinhos e boas leituras