Páginas

terça-feira, 30 de dezembro de 2014

Se é para balanço, balancemos...

... esquerda-direita-esquerda-direita-esquerda-direita... 

Direita... esquerda...Comecemos então pela família, que está bem e se recomenda e adquiriu mais um membro, quiçá o mais bonito de todos nós: a Pepita!

A nossa favorita está agora em convalescença da esterilização, que, segundo a cirurgião, no caso dela era essencial (coisas hormonais que não vou fingir que entendo!) Anda de corpete, o que com o frio que está nem calha mal.






Esquerda... direita... Passemos ao que aqui importa, porque este é um blogue de livralhada: foi um ano de altos e baixos. 

Como leitora, não foi mau, ainda que tenha lido muito menos do que no ano passado. Diz o GR que foram apenas 27 livros, o que não é verdade, porque nem sempre "conto" ao GR os meus pecadilhos. Li uns quantos guilty pleasures que me satisfizeram momentaneamente, mas não classifiquei e já esqueci. No seu conjunto, devo ter lido pelo menos mais uns dez livros do que anuncia o GR. Isso importa? Nadinha. Importa que li muita coisa boa, imensa coisa mais ou menos e tenho uma pilha crescente de pequenas maravilhas por ler. Parece que dei 5 estrelas a apenas 4 livros:






Neste momento já não sei dizer porquê só estes, há uns quantos nas 4 estrelas que, à distância, sei que adorei: Tales of Ordinary Madness, O Último Cabalista de Lisboa, Angelfall... Também desisti de dois ou três, e pelo menos um deles não sei porquê... Estou neste momento a ler A Filha do Barão, que avança com lentidão por motivos que em nada se prendem com o livro, de que estou a gostar bastante, e que portanto já não termino este ano. Será o primeiro de 2015.

Esquerda... direita... Como autora... que ano! Que raio de ano!

Este foi o ano em que apostei num novo formato, o ebook, e, embora sem problemas com a editora e menos ainda com o livro, que foi apreciado por quem o leu, compreendi que esta era uma aposta para a qual não estava preparada. Sinto ainda muita falta do livro físico, de poder senti-lo nas mãos, virar as páginas, assiná-lo, oferecê-lo. O livro está-me no coração, mas foi pouco lido...  Podem espreitar as opiniões de quem leu.

Foi o ano, pois, em que quase desisti - não da escrita, seria impossível - mas de tentar alargar o círculo dos que me leem. Ou seja, da publicação de livros.


Pelo meio ainda tive sessão de autografos na Feira do Livro (do Alma Rebelde), que, apesar da excelente companhia do Paulo M.Morais e da Sofia Teixeira, não chegou para me animar. 

Esquerda... direita... Surgiram ainda projectos interessantes: 


Integrei o NAU, do qual tenho já aqui falado muitas vezes. Espreitem o blogue, que os autores são bons. São bons autores e ainda melhor gente! Nem sempre os encontros pessoais são possíveis, cada um com as suas rotinas, mas estamos à distância de um clique e conseguimos dois belos jantares juntos (quase de trabalho, vá) e uma tarde fantástica com a Roda dos Livros. Tem sido, por muitos motivos, nem todos bons, um projecto de arranque lento... Mas devagar se vai ao longe, não é verdade?  

Fui também convidada pela Sofia Teixeira a participar com um conto, coisa nova para mim, na colectânea de aniversário do blogue Morrighan, Desassossego da Liberdade, ao lado de autores como Pedro Medina Ribeiro, Manuel Jorge Marmelo, Luís Rocha, Nuno Nepomuceno e Samuel Pimenta, e ainda dois convidados especiais vindos do mundo da música, Noiserv e Guillermo de Llera (Primitive Reason). Só sai em 2015, mas com o conto entregue e os concorrentes selecionados, está semi-feito para mim. A seu tempo teremos o produto. A seu tempo talvez tenhamos também mais contos, como o da colectânea ou este, de Natal, escrito para o Crónicas de uma Leitora.

Direita... esquerda... Não sendo de desistir facilmente, já o ano estava quase no fim tive a minha recompensa - nova editora, a Marcador, e novo livro... sim, ainda é novo, saiu este mês. Foi um processo relâmpago, que me deixou em alvoroço algum tempo, a correr para que tudo ficasse pronto, e depois me atirou para andanças novas e aflitivas (e divertidas!), como o anúncio para a RTP...



Depois disso, o lançamento, doente e quase sem voz, o que esqueci completa e rapidamente com a companhia de excelentes amigos e algumas surpresas deliciosas. Foi acolhedor e muito bom. O livro, de que tanto gosto, tem suscitado curiosidade e quem o tem lido e opinado no GR tem gostado, o que me deixa muito feliz e com alguma esperança. 

Houve um belo "Chá de Livros" na minha escola, com muitos goodies doces para celebrar o Natal e o Cavalheiro e Gago Coutinho (também esteve presente a biografia escrita pelo meu colega Rui Costa Pinto) como estrelas da companhia. Para o que mais vier, cá estarei!

E pronto, esquerda... direita... está feito! O ano, que começou tão negro, foi-se portanto iluminando aos poucos, o suficiente para me animar a escrever o próximo, que já tem enredo (vá, o principal) e pesquisa feita, mas ainda não chegou à meia centena de páginas. Pudera, ocupo-me a fazer balanços em vez de escrever! 

Para o próximo ano, vou repetir os meus desejos de sempre, à cabeça dos quais nem sequer estou eu, mas a prole. Sabe quem a tem que vem sempre primeiro... Algures pelo meio estarão os livros... 

E para todos um EXCELENTE 2015!

3 comentários:

Marisa Luna disse...

Olá Carla!
Vim desejar-te um BOM ANO 2015!
Há muito que leio o teu blog e há muito que quero ler os teus livros. 2015 será o ano para o fazer.
Um grande abraço

Carla M. Soares disse...

Obrigada, Marisa.
Espero que os livros agradem. ;)
Bom Ano!

olind g disse...

Tambem n conto tudo ao Goodreads...